Novo Mundo Artigo

A Vice-Reitora da Universidade Federal de Goiás (UFG), por meio da portaria n.  3.729 de 11 de julho de 2018, determinou a aplicação de  demissão ao servidor Rogério Elias Rabelo, lotado na UAE/Ciências Agrárias-Jataí, por haver infringido os termos dos arts. 117, inciso IX e 132, incisos IV,

Segundo denunciou o Ministério Público Federal em Rio Verde (MPF/GO), o docente, valendo-se de sua condição de professor-orientador, assediou sexualmente e estuprou uma estudante da qual era orientador.

Manifestação sobre suposto caso de estupro na UFG ocorre durante evento

Os assédios eram feitos por meio de abordagens presenciais e mensagens no aplicativo Whatsapp com o intuito de obter favorecimento sexual e ocorreram ao longo do ano de 2016, especialmente entre os meses de agosto e dezembro. Por fim, o estupro teria ocorrido na madrugada de 4 de dezembro de 2016, enquanto a aluna dormia, em um apartamento localizado em Goiânia, para onde alguns alunos foram após participação em congresso ocorrido na capital. Os fatos foram narrados, na época, à Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, em Goiânia.

O advogado de defesa, Dielson Guedes, disse que vai recorrer dessa decisão. “Não existe prova nenhuma e nós vamos demonstrar isso perante a própria universidade. Temos 10 dias para isso. E, posteriormente, vamos entrar com ação de nulidade para provar a inocência do professor”, disse.

A portaria que informa sobre a demissão do professor foi publicada no Diário Oficial da União. Confira:

Da redação Portal PaNoRaMa / Foto: Divulgação UFJ

Leia Mais:

Deixe uma resposta

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui