Um dos grandes fatores que pesam o bolso do consumidor nesse início de ano são os materiais escolares. Além de pesquisar bastante, existem algumas outras formas de se economizar. Por exemplo: você sabia que a exigência de materiais coletivos é ilegal?

Esses “materiais coletivos”, comumente pedidos pelas escolas, vão de pincel para o quadro a papel higiênico, e sua exigência caracteriza verdadeiro abuso ao consumidor. Os únicos materiais que podem ser exigidos são aqueles didáticos de uso individual, entretanto, a escola também não pode exigir que estes sejam adquiridos exclusivamente dela própria, tampouco de uma determinada marca ou loja.

Com os uniformes não é diferente: a escola não pode exigir que os alunos adquiram os que forem fornecidos por ela. Pelo contrário, cabe à instituição de ensino disponibilizar uma lista de possíveis fornecedores para que os próprios alunos escolham onde comprar. Os pais podem, inclusive, optar por uma costureira particular para a confecção do uniforme. A escola pode exigir apenas a padronização de cores, modelo e logotipo.

As taxas extras cobradas sob o preceito de cobrir despesas com água, luz e telefone também são ilegais, uma vez que inclusas no preço da mensalidade.

Tainá Simões Ruffing
Jornalismo Portal Panorama

Deixe uma resposta

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui