Agronegócio

Helicoverpa armigera ataca soja Intacta RR2 Pro

Foto: Vânia Santana / PaNoRaMa
Gostou? Então ajude a divulgar. Compartilhe!

Uma barreira que parecia instransponível foi derrubada pela Helicoverpa armigera: a lagarta passou a atacar a soja com tecnologia Intacta RR2 Pro. A informação é da Equipe Pragas e Plantas Daninhas da Fundação Chapadão, que acompanhou o caso em uma área da localidade de Chapadão do Céu, em Goiás.

Em meio a um surto de forte pressão da Helicoverpa armigera verificado nas últimas semanas, a equipe da Fundação Chapadão foi chamada para verificar o inusitado ataque à soja transgênica. Em certos locais chegaram a ser contadas entre duas a quatro lagartas por metro de linha da cultura, com aproximadamente 11% de plantas infestadas em alguns pontos.

Detentora da tecnologia Intacta, a Monsanto enviou seus técnicos para conferir se não havia outro tipo de sementes vulneráveis misturadas. A vistoria, que ocorreu na presença dos técnicos da fazenda e da Fundação Chapadão concluiu que o talhão não apresentava misturas – 100% das amostras coletadas expressavam a proteína Cry1Ac, produzida pela bactéria Bacillus thuringiensis (Bt), que até hoje sempre controlou a Helicoverpa armigera.

A análise apontou que as Helicoverpa armigeras maceradas se alimentaram da cultura, ingerindo a proteína tóxica Cry1Ac, e mesmo assim a tecnologia não afetou as lagartas. De acordo com a Equipe Pragas e Plantas Daninhas da Fundação Chapadão, esse “talvez seja o primeiro caso no Brasil com este problema”.

A Fundação Chapadão está orientando os produtores a aumentar o monitoramento das lavouras convencionais e transgênicas, alertando para que comuniquem qualquer outro caso. Segundo os técnicos, a área foi aplicada para se controlar esta população, evitando que a mesma se reproduza e cause ainda mais prejuízos a outros produtores da região. Um alerta importante é o manejo integrado consciente, o controle biológico e a rotação de princípios ativos, visando a preservação das tecnologias.

De acordo com Gustavo Valicente, da Simbiose, uma alternativa sustentável é o inseticida biológico BtControl, que é composto pela bactéria Bacillus thuringiensis: “A cepa deste microrganismo atua exclusivamente sobre lepidópteros. Desta forma, garantindo que não haja dano a inimigos naturais, que são extremamente benéficos em naturalmente controlarem outras pragas e doenças. Controlando-se a praga nos instares iniciais, garante com que o dano gerado sobre a cultura seja mínimo, reduzindo o efeito negativo sobre a produtividade”.

Fonte: Agro Link
Foto Capa: Vânia Santana
Jornalismo Portal Panorama

Gostou? Então ajude a divulgar. Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top