Cães & cia

Urolitíase em cães e gatos

Foto: Vânia Santana / PaNoRaMa
Gostou? Então ajude a divulgar. Compartilhe!

Colunista: Jackelyne Dutra – CRMV-GO 05767

A urolitíase é uma afecção metabólica de causa multifatorial que frequentemente afeta os cães e os gatos e possui altos níveis de recorrência. Ocorre quando há precipitação de cristais em urina superconcentrada com essas substâncias. Os urólitos são em sua maioria formados por estruvita ou oxalato de cálcio, porém outros minerais também podem se precipitar formando cálculos, tais como urato, fosfato de cálcio, cistina e sílica.

Patologia bastante comum na clínica de pequenos animais, chegando a ser a terceira doença mais comum do trato urinário dos cães (LULICH et al., 2004). Afeta de 1,5% a 3,0% de todos os cães admitidos em clínicas veterinárias e mais de 25% dos gatos com doença do trato urinário inferior (OSBORNE et al., 1995).

Urolitíase é um termo que se refere à presença de urólitos, em qualquer segmento do trato urinário, sua causa e efeito. Decorre da interação de vários fatores predisponentes adquiridos, congênitos e familiares, que levam a precipitação de metabólitos na urina. (OSBORNE et al., 2008b).

Podem ser citadas como fatores de risco, anormalidades funcionais ou anatômicas do sistema urinário, como presença de divertículo vesical; infecções do trato urinário; dieta; pH da urina; raça; sexo; idade e anomalias metabólicas (OSBORNE et al., 1999).

O sistema urinário tem como função a eliminação de metabólitos na forma líquida, porém alguns desses metabólitos são menos solúveis e podem se precipitar na urina sob a forma de cristais. Caso esses cristais permaneçam retidos no trato urinário, poderão se combinar com outros compostos, culminando na formação dos cálculos (OSBORNE et al., 1999).

Cães da raça dálmata, por exemplo, são famosos fazedores de cálculos urinários, devido a um problema de metabolismo que impede a eliminação de ácido úrico.

Preste muita atenção aos gatos machos. Se você nota que ele está entrando e saindo da caixinha frequentemente, vocalizando quando tenta urinar, é possível que ele já esteja obstruído. Essa é uma situação de emergência. Leve-o ao veterinário imediatamente!

Encontram-se urólitos, na maioria das vezes, na bexiga (urocistólitos) e uretra (uretrólitos); já nos rins (nefrólitos) e nos ureteres (ureterólitos) compreende 5-10% dos urólitos encontrados.

Os sintomas normalmente são: hematúria (sangue na urina), periúria (micção fora do tabuleiro), polaquiúria (aumento na frequência de micções), disúria (dor ao urinar) e obstrução uretral. Casos assintomáticos são extremamente comuns e têm a possibilidade de persistir por anos. O tratamento depende do tamanho. Tipo e localização do urólitos. Fluidoterapia, antibioticoterapia e mudanças na dieta se fazem necessários. Deve-se manter alguns cuidados após a remoção do cálculo para que não haja recidivas.

Leve seu animal frequentemente ao veterinário para fazer uma avaliação, especialmente se já é um animal idoso, ou se apresenta alguns desses sinais clínicos.

Colunista: Jackelyne Dutra – CRMV-GO 05767
Jornalismo Portal Panorama
Foto Capa: Vânia Santana

Aviso importante:
O conteúdo exibido nesta seção (COLUNA), apresenta caráter meramente informativo. O Portal PaNoRaMa não se responsabiliza pelo conteúdo dos colunistas que assinam cada texto, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal PaNoRaMa se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins.

Gostou? Então ajude a divulgar. Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top