Agronegócio

Frente fria na semana que vem promete aliviar seca nas lavouras

Gostou? Então ajude a divulgar. Compartilhe!

Após uma temporada de seca que perdurou pelos últimos três meses, a chegada da primavera promete uma frente fria que devolverá as chuvas às lavouras a partir da semana que vem. O clima quente e a falta d’água afetaram principalmente os Estados de Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Tocantins, Pará e o interior do Nordeste. Café, laranja e as pastagens foram os mais prejudicados. O plantio da safra de grãos teve algum desequilíbrio, mas a boa notícia é que as chuvas previstas para alcançar todo o Brasil até o dia 4 de outubro têm potencial para evitar quebras na temporada de 2017/18.

“A partir de terça-feira (26), as precipitações começarão pelo Rio Grande do Sul e, na sequência, vão se espalhando pelo Sudeste e Centro-Oeste”, prevê o meteorologista da Somar Meteorologia, Celso Oliveira. Segundo ele, a última ‘boa’ chuva para as lavouras aconteceu no início de junho. Entre os cultivos perenes, “a informação que temos é que a citricultura trabalhou fortemente com irrigação para manter os pomares”, destaca.

Pecuária

Na pecuária, a estiagem provocou perda nas pastagens e, em casos mais extremos, há relatos de queimadas entre Goiás, Tocantins e Mato Grosso. “Mais de 120 cabeças de gado não suportaram as queimadas em Araguaina (TO)”, comenta o agrometeorologista da Rural Clima, Marco Antônio dos Santos. Os prejuízos só não foram maiores porque uma vasta parcela do rebanho nacional encontra-se em confinamento nesta época. Agora, o retorno das chuvas deve permitir alguma recuperação aos pastos degradados ou até reforma completa dos mesmos.

Grãos

Em relação aos grãos, houve atraso no plantio do milho de verão que pode desencadear danos na produtividade, pois a semeadura normalmente ocorre entre os meses de setembro e outubro, segundo o especialista da Rural Clima. Em contrapartida, o baixo nível de remuneração da cultura já levaria o produtor a reduzir as áreas de plantio, substituindo-as por soja. No caso da oleaginosa, a janela ideal ainda está aberta e, com as chuvas da próxima semana, é possível que o plantio ocorra dentro da normalidade.

De acordo com o analista técnico do Instituto para o Fortalecimento da Agropecuária de Goiás (Ifag) e Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Cristiano Palavro, após um período seco novamente intenso no estado, as previsões climáticas apontam o retorno das chuvas já nos próximos dias em Goiás. “Os produtores aguardam o encerramento do vazio sanitário no final de setembro e o acúmulo de boa umidade no solo para iniciar o plantio, porém é preciso ter cautela, já que nestas próximas semanas os volumes de chuva esperados ainda são pequenos, com maior intensificação esperada para segunda quinzena de outubro”, destaca.

Próximas previsões

Passada esta etapa de precipitações, Oliveira acredita que virão percalços no fim do ano, dentre eles, risco de estiagem na região Sul, assim como no Paraguai e Uruguai, e excesso de chuvas durante a colheita do Sudeste e Centro-Oeste. “As condições climáticas deste ano estão menos estáveis em relação ao mesmo período de 2016. Isso exige aumento nos cuidados com manejo e a aplicação de estratégias que diluam os riscos de perda. Trabalhar com a alternância entre cultivos de ciclo médio e tardio é uma opção”, sugere o especialista da Somar.

Fonte: Faeg
Jornalismo Portal Panorama

Gostou? Então ajude a divulgar. Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top