Cães & cia

Como proceder com meu animal em convulsão?

Foto: Vânia Santana
Gostou? Então ajude a divulgar. Compartilhe!

Colunista: Jackelyne Dutra – CRMV-GO 05767

Define-se convulsão como uma atividade anormal do cérebro, desencadeada por um grupo de neurônios com descargas elétricas alteradas, as quais fazem o cão/gato ficar descontrolado, começando a salivar. O animal perde a coordenação motora, cai com as pernas esticadas e com tremores, pode urinar, defecar e se debater durante a crise. As crises convulsivas podem ter várias intensidades e duração, e podem também se repetir com frequência que geralmente é um sinal de epilepsia, a qual é hereditária. Existem algumas raças de cães que são mais predispostas a certas alterações neurológicas como: Beagle, Pastor Alemão, São Bernardo, Collie, Golden Retriever, Poodle, Husky Siberiano, Cocker Spaniel, Labrador, Setter Irlandês, Pastor Belga, Teckel e Pit Bull são algumas das raças com maior tendência a desenvolver esse tipo de problema ao longo da vida. Mas as causas de convulsão podem ser variadas, e podem ser doenças hereditárias (como a epilepsia), doenças infecciosas, doenças traumáticas, degenerativas, vasculares e intoxicações.

Tanto cães quanto gatos podem apresentar alterações neurológicas e as dicas dadas aqui servem para ambos durante a crise. A convulsão em gatos acontece mais em casos de envenenamento e doenças do que por status epilético, no entanto ela pode ocorrer.

A experiência de ver o animal se convulsionando pode ser muito traumática para o proprietário, mas é preciso manter a calma, retirar o animal de um local em que possa se machucar com objetos e deixar o ambiente silencioso e o mais escuro possível. Se possível, mantenha o ambiente frio, pois a crise superaquece o corpo do animal. Não há muito o que se fazer em casos de convulsões, pois não tem como impedir esse processo quando se inicia. Nas crises convulsivas o animal tende a ficar bastante confuso por algum tempo e pode até mesmo não reconhecer seu próprio dono. Não aproxime os dedos da boca do cão. Existe um mito que durante a convulsão o animal possa engolir a língua, porém isso não é verdade. Você deve colocar o animal em decúbito lateral (de lado) para que o próprio não aspire sua saliva ou vomito.

Afastar outros animais e crianças, pois o cão ou gato pode ficar agressivo já que a crise convulsiva dificilmente pode ser prevista. Entretanto, ela pode ser controlada por medicamentos prescritos pelo médico veterinário. Por isso é muito importante que o proprietário mantenha um registro de duração da convulsão e de uma crise para outra, caso houver mais. Observar também o momento da crise, por exemplo: após comer, após barulho, após uma briga com outros cães, após um tombo… O histórico é muito importante para que o veterinário feche o diagnóstico correto.

Se o animal tiver uma crise isolada, trata-se apenas o episódio, mas se o problema se repetir com frequência pode ser um sinal de epilepsia. Aí é preciso investigar a causa e fazer um tratamento, talvez até por toda a vida. Com medicação é possível ter uma vida normal.

Após a crise convulsiva, tentar acalmar o animal passando a mão em seu dorso, conversando com ele, ajuda bastante o animal a voltar a consciência. Mas se o animal for um gato o ideal é fazer o máximo de silêncio, evitar estimulações, deixar ele se recuperar sozinho, pois pode deixá-los mais estressados.

São vários os problemas neurológicos que podem acometer a saúde de um pet, e isso só é diagnosticado através de testes, exames e anamnese, os quais podem ser tratados ou controlados por um médico veterinário após o diagnóstico. Animais especiais requerem cuidados redobrados e merecem mais paciência, cuidados e amor ainda. Não abandone seu animal especial. Se chegou até você, cuide!

Colunista: Jackelyne Dutra – CRMV-GO 05767
Revisão: Rosana de Carvalho
Foto Capa: Vânia Santana
Jornalismo Portal Panorama

Make Up: Salão Evolution Anderson
Agradecimento: Animalia Pet Shop

Aviso importante:
O conteúdo exibido nesta seção (COLUNA), apresenta caráter meramente informativo. O Portal PaNoRaMa não se responsabiliza pelo conteúdo dos colunistas que assinam cada texto, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, o Portal PaNoRaMa se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins.

Gostou? Então ajude a divulgar. Compartilhe!
Clique para comentar

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top